3.9.11

Fibria quer investir em pellets de madeira

 
O novo presidente da Fibria, Marcelo Castelli, afirmou que a companhia estuda ingressar em áreas complementares à atividade de produção de celulose. Uma das oportunidades em vista é o segmento de bioenergia (pellets de madeira), a exemplo de sua principal concorrente, a Suzano Papel e Celulose. "De forma complementar estudamos a produção de pellets, a produção de biocombustíveis e a geração de bionergia", afirmou o executivo.Embora demonstre interesse em outras formas de aproveitamento do eucalipto, o executivo disse que não há decisão tomada até o momento. Ele citou, como exemplo, a possibilidade da Fibria ingressar no mercado de pellets. "Esse é o momento de analisar, mas talvez não de entrar. O mercado precisa se tornar um pouco mais regulado", explicou.Caso opte por ingressar no mercado de bioenergia, a companhia já dispõe, inclusive, de uma base florestal que poderia ser usada para esta finalidade. Trata-se do projeto Losango, localizado no Rio Grande do Sul, que já tem 58 mil hectares de eucaliptos plantados em uma área total pouco superior a 100 mil hectares. Segundo Castelli, inicialmente esse projeto seria vendido pela companhia dentro de processo de reestruturação após a fusão entre VCP e Aracruz, que resultou na Fibria. Porém, diante da procura do mercado por bionergia, a estratégia de venda pode ser descartada.
Postar um comentário