25.3.17

O SETOR DE PELLETS DE MADEIRA NO BRASIL

       O artigo científico faz um diagnóstico do mercado de pellets brasileiro:
  • O Brasil tem 13 produtores ativos e o setor surgiu a partir do ano de 2004 (Ver Pellets Map Brasil 2017);
  • Em 2015, as treze indústrias peletizadoras produziram cerca de 75.000 toneladas do produto;
  • Os resíduos de Pinus (na forma de serragem, maravalha e pó de serra) são as principais matérias-primas utilizadas na produção de pellets
  • Em 2015, o mercado interno consumiu 76,93% da produção brasileira de pellets e 17.302 toneladas foram exportadas.
  • Os principais consumidores no mercado interno brasileiro são: aquecimento de aviário, hotéis, pizzarias e padarias.
  • Em média, os pellets de madeira são comercializados por R$ 471,15 a tonelada (FOB);
  • Os três principais problemas do setor de pellets, apontados pelos produtores, são: baixa demanda interna para o produto, custo alto da energia elétrica para a indústria e desconhecimento do produto pelos consumidores.
Maiores informações:

GARCIA, D.P.; CARASCHI, J.C.; VENTORIM, G. O setor de pellets de madeira no Brasil. Revista Ciência da Madeira (Brazilian Journal of Wood Science), v.8, n.1, p. 21-28, 2017.

10.1.17

MADEIRA É COMBUSTÍVEL NEUTRO EM CARBONO?



“A madeira é um combustível neutro em carbono, ou seja, as emissões gasosas da sua queima são recuperadas no crescimento da árvore, por meio do ciclo do carbono”

Essa afirmação tem assustado os ambientalistas e dividido cientistas nos Estados Unidos. Os ambientalistas argumentam que:

  • Os críticos - - > Promover o uso dos pellets de madeira pode desencadear uma exploração madeireira que destruirá a biodiversidade em nome da proteção do clima;

  • Os críticos - - > Exploração madeireira corte/colheita/transporte numa área, ao longo do tempo, retira o carbono do solo e o lança a atmosfera. Há necessidade de análise não só na árvore cortada, mas no que está abaixo dela;

  • Os favoráveis - -> O comércio de pellets para a europa é bom economicamente (motivos óbvios), mas sobretudo ambientalmente porque mais florestas serão plantadas nos EUA para atender a demanda e mais carbono será removido da atmosfera.

Os cientistas das principais Universidades americanas estão divididos:


  • 65 cientistas críticos da madeira escreveram uma carta, aos líderes do Senado nos EUA, advertindo que o rótulo “CO2 neutro” estimula o desmatamento e elevaria as emissões líquidas;

  • 100 cientistas favoráveis ao uso dos pellets de madeira, contra argumentaram que o combustível tem baixas emissões e essa tese está bem estabelecida na literatura científica. Artigos mostram que os pellets de madeira emitem até 85% menos gases do efeito estufa do que o carvão mineral, quando se analisa o ciclo de vida do produto;

Usina Termoelétrica no Reino Unido que utiliza pellets de madeira


O novo Presidente dos Estados Unidos terá uma difícil decisão nos próximos dias:


- - > aceitar a pressão dos estados ricos em madeira e o que dizem os cientistas favoráveis ao seu uso e validar a madeira como neutro em carbono: continuar os subsídios oferecidos;


- - > ignorar que as emissões causem o aquecimento global: ignorar subsídios e acordos já firmados;


O que se sabe, com certeza, é que essas discussões sobre a energia dos pellets de madeira e o clima ainda estão longe de acabar!
 
 Leia mais sobre esse tema consultando o artigo:
CORNWALL, W. The burning question. Science, v. 355, n. 6320, p. 18-21, 2017. DOI: 10.1126/science.355.6320.18

28.12.16

O MERCADO DE PELLETS NO BRASIL


  • A questão energética assume, nos dias atuais, enorme importância, pois o aumento do consumo energético coloca em xeque as fontes esgotáveis e poluidoras (derivados do petróleo). O uso de novas fontes requer que estas sejam capazes de substituir as atuais fontes primárias e, ao mesmo tempo, sejam limpas ou menos poluidoras.
  • Dada a extensão territorial do nosso país, não existe uma única e universal fonte de energia que atenda a todos. Precisamos combinar diversas fontes de energia (eólica, solar, térmica e hídrelétrica), levando em consideração as condições naturais de cada espaço geográfico e as oportunidades disponíveis. 
  • É aqui que entra os pellets de madeira que podem ser produzidos a partir de resíduos agroflorestais como o bagaço de cana, serragem e maravalha de madeira.  São biocombustíveis compactados que tem baixa umidade e alto poder calorífico, permitindo elevada eficiência na combustão, destacando-se por ser um produto natural de fácil manuseio e estocagem.
  • O Brasil tem hoje 16 indústrias que podem produzir pellets de madeira. No último ano, três indústrias fecharam as portas, mas já existem quatro grandes  projetos em desenvolvimento, com previsão para entrar em operação em 2017.

11.12.16

O PROCESSO DA CERTIFICAÇÃO DOS PELLETS - ISO 17.225-2 EN PLUS

Para alcançar mercados externos, os pellets precisam ser certificados de acordo com a norma ISO 17225-2 EN Plus. Esse processo é necessário porque a normatização, na prática, é um selo de qualidade do produto atestando que o biocombustível tem boas características energéticas. No entanto, o preço que se cobra para fazer esta certificação é algo fora dos padrões do mercado brasileiro. Observem alguns dados para a certificação EN Plus:

  • Tempo para realizar o processo de certificação ~ 3 meses;
  • Período de validade da Certificação = 3 anos
  • Custo do processo de certificação ~ 3.000 Euros ~ R$ 10.710,00;
  • Taxa cobrada por venda no mercado externo = 0,15 Euros/t ~ R$ 0,54/t vendida.

Um pequeno produtor que vender 30.000 ton de pellets desembolsará ~ R$ 16.065,00/ano só pra usar o selo EN Plus nas embalagens dos seus produtos. A solução para reduzir o preço desse processo e melhorar nossa competitividade no mercado de pellets de madeira é fazer todo esse processo aqui no Brasil. Para o bem do mercado, temos que encontrar opções que permitam a certificação para todos os produtores de pellets!

13.11.16

PELLETS DE BAGAÇO DE CANA EM ALTA!

Com a demanda crescente por pellets para atender aos acordos Internacionais (COP21) para reduzir as emissões de gases do efeito estufa (GEE), o velho e desprestigiado bagaço de cana volta a entrar em cena no mundo da biomassa. O Japão, por exemplo, pretende usar essa biomassa vegetal para substituir o carvão mineral e reduzir suas emissões de CO2 já para os próximos anos. Para isso, tem uma demanda total estimada em 10 milhões de toneladas por ano. 

Pellets de bagaço de cana (~3,0 % teor de cinzas)

 Os pellets de bagaço é indicado somente para uso industrial, devido ao seu elevado teor de cinzas, mas seu preço atrativo e por ser energia renovável o faz ser bem competitivo e desejado. Ele deve preencher uma lacuna de demanda entre a disponibilidade de pellets de madeira (também crescente nos países europeus) e as metas ambientais de redução das emissões assinadas pelos Japoneses.
Novos negócios e parcerias, como aqueles da COSAN com a SUMITOMO, devem surgir nos próximos meses.

MAPA DOS PELLETS DE MADEIRA 2017

Os pellets são produzidos, em sua maioria, na região Centro Sul do Brasil. Acesse o Pellets Map Brasil 2017 e encontre o produtor de pellets mais perto de você.


PELLETS MAP BRASIL 2017 - PRODUTORES DE PELLETS
Até Jan/2017, este mapa dos produtores recebeu 32.977 visitas. Um recorde!Resultado de imagem para PELLETS MAP BRASIL 2016